Política

Wellington Roberto tenta livrar Cunha

Paraibano apresentou voto em separado pelo arquivamento

Wellington Roberto tenta livrar Cunha

O Conselho de Ética da Câmara se dá sequência ao processo contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que pode resultar em sua cassação.

Apresentado pelo PSOL e pela Rede, o pedido visa a cassação de Cunha por quebra de decoro parlamentar por obtenção de vantagem indevida e por ter omitido, em sessão da CPI da Petrobras, ser beneficiário de contas secretas no exterior.

Vários delatores da Lava Jato acusam o presidente da Câmara de integrar o petrolão. Cunha foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República sob a acusação de participação no esquema de desvio de recursos da Petrobras.

O relator Fausto Pinato (PRB-SP) defendeu que o voto em separado do deputado federal Wellington Roberto (PR-PB) seja anulado. Segundo ele, é uma estratégia com a finalidade "criar embaraço a esse conselho".

"Esse comportamento é lamentável e repudiado por todos os brasileiros que não aguentam mais ver a impunidade no país", disse.

O presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, José Carlos Araújo (PSD-BA), no entanto, lembrou que o voto em separado é previsto em regimento interno e rejeitou a hipótese de anulá-lo.

Mais cedo, o deputado federal Wellington Roberto (PR-PB) antecipou o seu voto pelo arquivamento do processo de cassação, apresentando-o em separado com previsão de pena menos grave ao peemedebista.

Wellington Roberto tenta livrar Cunha Folha

Comentários