Mundo

Dona de casa é condenada por agredir empregada

Vítima sofria tratamento escravo no trabalho

Dona de casa é condenada por agredir empregada

Uma dona de casa foi condenada a seis anos de prisão por tratamento escravo à empregada doméstica. O caso aconteceu em Hong Kong. 

Segundo declaração do tribunal de Justiça, Law Wan-tun, de 44 anos, "não deu mostra de qualquer compaixão" com a empregada, que tem 24 anos e é natural da Indonésia.  

Ela considerava os empregados como pessoas "inferiores", afirmou a juíza Amanda Woodcock. Law foi condenada por agredir e não alimentar a empregada, além de proibí-la de sair de casa.   

Em uma audiência no mês de dezembro, a jovem empregada contou que recebia pequenas porções de arroz e pão. Disse também que dormia apenas quatro horas por dia e que foi agredida de maneira tão violenta que chegou a perder a consciência.  

De acordo com a promotoria de Justiça, a dona de casa usava cabides e vassouras como "armas" contra a empregada. A mulher foi considerada culpada por 18 das 20 acusações.  

"É lamentável que este tipo de comportamento seja frequente", afirmou o tribunal, que "poderia ser evitado se as empregadas não fossem obrigadas a viver na casa dos patrões". 

A juíza pediu às autoridades de Hong Kong e da Indonésia a abertura de uma investigação sobre as condições de trabalho das empregadas domésticas estrangeiras que trabalham na ex-colônia britânica. 

Também criticou os valores "significativos" que as agências cobram das empregadas em seus países de origem e que são deduzidos de salários muito reduzidos. 

A empregada conseguiu fugir da casa em que trabalhava em janeiro de 2014, após oito meses de violência. Ela foi internada em estado grave em Sragen, na ilha indonésia de Java. 

O caso, de repercussão internacional, virou uma questão diplomática após o ex-presidente indonésio Susilo Bambang Yudhoyono a receber e prometer justiça. 

Hong Kong tem quase 300 mil empregadas domésticas. A maioria é natural das Filipinas e da Indonésia.

Band Notícias

Comentários