Brasil

É hora de ouvir as ruas e apresentar caminhos, avalia Renan

Renan recebeu nesta segunda o procurador Rodrigo Janot

É hora de ouvir as ruas e apresentar caminhos, avalia Renan

Questionado por jornalistas sobre sua avaliação das manifestações deste domingo (16) em todo o país, o presidente do Senado, Renan Calheiros, afirmou que governantes e parlamentares precisam prestar atenção nas reivindicações apresentadas pela população e responder com propostas concretas.

- É hora de ouvir a população, ouvir as ruas, recolher seus sentimentos e agir, sugerir caminhos, é isso que o Legislativo precisa fazer – disse Renan.

Sobre críticas que foram feitas a ele por manifestantes sobre um suposto acordo político com o governo federal, Renan afirmou que trata-se de “um exercício da democracia que todos precisamos garantir”.

Para o presidente do Senado, propostas como a chamada Agenda Brasil são respostas aos anseios da população e às dificuldades econômicas do país. A agenda foi apresentada por Renan na semana passada, com o objetivo de sugerir ao governo federal caminhos e prioridades para o enfrentamento da crise econômica e a retomada do crescimento. A agenda tem quatro eixos principais: melhoria do ambiente de negócios e infraestrutura; equilíbrio fiscal; reforma administrativa e do Estado e proteção social.

Renan recebeu nesta segunda-feira o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O presidente do Senado declarou que pretende colocar a recondução de Janot em votação no Plenário já na quarta-feira da próxima semana (26). No mesmo dia, pela manhã, ocorrerá a sabatina de Janot na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

— Há um esforço, que eu novamente asseguro, de votarmos em Plenário a indicação do nome no mesmo dia em que ele for sabatinado. As coisas estão caminhando normalmente, dentro do que se esperava — garantiu Renan nesta segunda-feira (17).

Segundo Renan, o encontro foi um passo importante do processo de recondução do procurador-geral.

— É muito bom que as instituições conversem. [Janot] repetiu exatamente o que fez na vez anterior, quando fez questão de conversar com o Senado — elogiou Renan.

Renan ainda declarou que a normalidade e a serenidade da recondução do Procurador-geral da República são responsabilidades do Congresso no atual momento político do país.

— Tudo que precisar ser feito pelo Legislativo para que possamos sinalizar com normalidade neste momento de preocupação nacional será feito.

Janot não falou à imprensa na saída da reunião com Renan.

Procedimento

A mensagem presidencial com a indicação do procurador-geral para um segundo mandato já se encontra na CCJ e tem relatório favorável do senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES). A leitura do relatório será feita na sessão da comissão desta quarta-feira (19).

Na sessão seguinte acontecerá a sabatina, em que o procurador-geral responderá a questionamentos dos membros da CCJ sobre suas funções. Logo após, na mesma sessão, o relatório deve ser votado pela comissão e, depois encaminhado ao Plenário. São necessários 41 votos para a aprovação definitiva da recondução de Janot ao cargo.Segundo o presidente do Senado, haverá um esforço para votar, em Plenário, a indicação de Janot para recondução ao cargo no mesmo dia em que ele for sabatinado na Comissão de Constituição e Justiça, o que deve ocorrer na quarta-feira da semana que vem (26).

Jornal do Brasil

Comentários